USO DE PLANTAS MEDICINAIS POR IDOSOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL

Palavras-chave: Saúde do Idoso., Plantas Medicinais., Hipertensão Arterial., Envelhecimento.

Resumo

É comum a população idosa buscar plantas com propriedades diuréticas e calmantes para prevenir ou controlar diversas doenças, entre estas a elevação da pressão arterial. Assim, para que se possa evitar riscos quanto ao uso de plantas medicinais pela população idosa que sofre de hipertensão arterial propôs-se estudar a utilização destas plantas, suas indicações terapêuticas e os riscos associados ao uso destas. A pesquisa foi um estudo quantitativo, de caráter descritivo e exploratório e de corte transversal e foi realizada em Centro Geriátrico e Centro de Referência de Assistência Social, localizados no município de Mossoró-RN. O estudo foi enviado para comitê de ética e após aprovação realizada coleta de dados. O levantamento dos dados foi realizado entre os meses de setembro a novembro de 2017, por meio de aplicação de formulário contínuo, sendo a pesquisa constituída de 37 idosos. Os dados foram expressos em valores de média, bem como frequência simples e percentagem. A presente pesquisa levantou informações relevantes sobre os riscos associados ao uso das plantas medicinais por idosos portadores de hipertensão arterial, e permitiu a orientação quanto ao uso correto. Os idosos fazem uso de plantas medicinais, com a finalidade de prevenir ou tratar alguma doença. Mesmo possuindo o conhecimento empírico sobre o uso destas, consomem pela automedicação, acreditando no poder da prevenção, tratamento e cura de doenças. Os resultados obtidos neste estudo reforçam a importância de programas de educação em saúde direcionados aos idosos, por ser esta faixa etária vulnerável.

Publicado
2019-04-01
Como Citar
Costa, A. R., Cordovil, F., Lima, M., Coelho, W. A., & Salvador Filho, E. (2019). USO DE PLANTAS MEDICINAIS POR IDOSOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL. Revista De Ciências Da Saúde Nova Esperança, 17(1), 16-28. https://doi.org/10.17695/revcsnevol17n1p16-28
Seção
Ciências da Saúde/Artigo Original