AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO DE PROFISSIONAIS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA

EVALUATION OF QUALITY OF WORKING LIFE OF PROFESSIONALS FROM FAMILY HEALTH UNIT

Palavras-chave: Qualidade de Vida, Pessoal de Saúde, Estratégia Saúde da Família

Resumo

O debate sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) na Estratégia Saúde da Família (ESF) é importante, pois envolve dimensões intelectuais e desenvolvimento de diferentes técnicas e competências para o manejo da saúde individual, da família e da comunidade, cursando assim com maior carga física e mental para os profissionais de saúde. Com isso, o objetivo desse estudo é avaliar a QVT de trabalhadores de uma Unidade de Saúde da Família (USF) de João Pessoa, Paraíba. Trata-se de estudo quantitativo, descritivo e transversal, com aplicação de formulário sociodemográfico e questionário QWLQ-bref na USF Integrando Vidas, Distrito Sanitário II, em fevereiro de 2021. De 60 profissionais, obteve-se índice 64,86, considerado satisfatório pela escala de classificação do QWLQ-bref. A única variável que diferiu da classificação total foi a categoria profissional de técnico de enfermagem ou laboratório, com índice 47,11, considerado neutro (nem boa, nem ruim). O nível satisfatório de QVT pode ser relacionado às características da USF, como possuir equipes de Saúde da Família completas, com atuação de programas de residência multiprofissional e médica. No entanto, existem fatores que poderiam ser melhorados como o índice do domínio profissional menor que os demais, bem como a classificação inferior da categoria de técnicos, destacando a falta de insumos, problemas de infraestrutura, falta de formação continuada e reuniões de equipe. A QVT dos trabalhadores de saúde da USF Integrando Vidas foi considerada satisfatória, com o domínio pessoal com maior escore e o profissional com o menor.

Publicado
2021-12-28
Como Citar
de Andrade, F., & Soares, G. (2021). AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO DE PROFISSIONAIS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA. Revista De Ciências Da Saúde Nova Esperança, 19(3), 184-194. https://doi.org/10.17695/rcsnevol19n3p184-194
Seção
Ciências da Saúde/Artigo Original