ADESÃO AO TRATAMENTO MEDICAMENTOSO E NÃO MEDICAMENTOSO DE IDOSOS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

  • Laryssa Laiane Morais da Silva
  • Alinne Cassemiro Inacio
  • Kay Francis Leal Vieira Leal Vieira
  • Rossana de Roci Alves Barbosa Costa
  • Adriana Lira Rufino de Lucena
Palavras-chave: Idoso., Hipertensão. Estilo de vida.

Resumo

Entre as doenças crônicas, apresentadas pelos idosos, uma das mais frequentes na prática clínica é a Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS). Acomete qualquer faixa etária e fatores relacionados ao estilo de vida, em como, hereditariedade contribuem para essa demanda, refletindo na redução da qualidade de vida das pessoas afetadas, tornando assim, maior a possibilidade de morte prematura. O estudo objetivou avaliar a adesão ao
tratamento medicamentoso e não medicamentoso de idosos hipertensos, participantes de um grupo de convivência. Trata-se de um estudo descritivo, com abordagem quantitativa, realizada no Projeto “Envelhecimento Saudável”, vinculado à Faculdade de Enfermagem Nova Esperança – FACENE. A amostra foi composta por 48 idosos. A pesquisa foi aprovada sob CAEE: 30768214.1.0000.5179, protocolo nº 68/2014. Foram respeitados os aspectos éticos preconizados pela Resolução CNS 466/12 e a Resolução COFEN 311/2007. Os resultados apontam que 33,3% encontravam-se
na faixa etária entre 70 a 74 anos; 91,7% eram do sexo feminino, sendo 43,8% viúvas, 52,1% com ensino fundamental incompleto e 75% sobrevive com renda mensal de 1 salário mínimo. Verificou-se uma prevalência de 47,9% de idosos hipertensos, dos quais 77,1% faziam uso de anti-hipertensivo. Em relação à terapia não medicamentosa como dieta e prática de atividade física, 56,3% dos entrevistados afirmaram realizar rotineiramente essa conduta, verificando que uma significativa parcela dos hipertensos, 43,7% não realizavam esses hábitos de vida saudável, elementos necessários para o controle da doença. Os resultados demonstraram maior dificuldade de adesão ao tratamento não medicamentoso. É necessário que essas barreiras sejam vencidas para que se possa proporcionar uma atenção integral ao idoso. Assim, a educação para o  utocuidado é imprescindível para pessoas acometidas por doenças crônicas,  estimulando mudanças dos hábitos e melhoria da qualidade de vida,
exaltando sempre, a participação efetiva, reflexiva e crítica do indivíduo.

Publicado
2016-12-20
Como Citar
Silva, L., Inacio, A., Leal Vieira, K., Barbosa Costa, R. de, & de Lucena, A. (2016). ADESÃO AO TRATAMENTO MEDICAMENTOSO E NÃO MEDICAMENTOSO DE IDOSOS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA. Revista De Ciências Da Saúde Nova Esperança, 14(3 - especi), 49-58. https://doi.org/10.17695/revcsnevol14n3 - especip49-58
Seção
Ciências da Saúde/Artigo Original

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##