PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS PESSOAS ATENDIDAS POR INTOXICAÇÃO EXÓGENA EM UMA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO

Palavras-chave: Envenenamento, Suicídio, Socorro de Urgência, Perfil Epidemiológico, Substância Nociva

Resumo

A intoxicação é a apresentação clínica de efeitos prejudiciais, por interação com substâncias químicas e quando relacionada ao adulto, em sua maioria, a intoxicação exógena está associada às tentativas de suicídio. A pesquisa objetivou investigar o perfil das pessoas atendidas por intoxicação exógena em uma Unidade de Pronto Atendimento. Trata-se de uma pesquisa documental retrospectiva, com abordagem quantitativa, realizada em prontuários de pacientes atendidos de novembro de 2018 a julho de 2019, por intoxicação exógena, em uma Unidade de Pronto Atendimento de João Pessoa, Paraíba, aprovada pelo Comitê de Ética e Pesquisa, sob o CAAE: 20669019.6.0000.5179. Após investigar todos os atendimentos que aconteceram no período e excluídos os prontuários com rasuras e grafias incompreensíveis, a amostra foi composta por 77 prontuários. Como resultado da pesquisa, observou-se 42,8% com idade entre 19 e 30 anos, sendo 55,8% dos atendidos do gênero feminino. 57,1% tem nível médio de escolaridade, 31,2% eram estudantes e 63,6% solteiros. Identificou-se 57,1% de intoxicação por medicações, sendo que 80,5% não apresentam transtorno mental; 90,9% dos intoxicados não fazem uso de medicação alopática e 87% não tem acompanhamento com especialista. Constatou-se que a principal causa da intoxicação exógena se deu através da violência autoprovocada por medicação, mas que nem sempre se tem relação com transtornos mentais. Entretanto, observou-se, através da análise dos resultados obtidos por meio dos prontuários, a prevalência da depressão, com hegemonia de casos em mulheres.

Publicado
2021-04-28
Como Citar
Ferreira, J., Silva, G., Monte, C., Beserra, B. A., Alves, S., & Ferreira, A. (2021). PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS PESSOAS ATENDIDAS POR INTOXICAÇÃO EXÓGENA EM UMA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO. Revista De Ciências Da Saúde Nova Esperança, 19(1), 6-12. https://doi.org/10.17695/rcsnevol19n1p6-12
Seção
Ciências da Saúde/Artigo Original

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##