ANGIOPLASTIA E ENDARTERECTOMIA CAROTÍDEA: RISCOS E BENEFÍCIOS DURANTE O PROCEDIMENTO E PÓS-OPERATÓRIO

  • Marina Dantas Henrique
  • Ana Carolina de Melo Machado Leça
  • Haiane Leite Dantas Coelho
  • Jéssica Miranda Lemos
  • Matheus Mello Freire de Santana
  • Tamíris Baptista Sampaio
Palavras-chave: Angioplastia, Endarterectomia, Cuidados pós-operatórios, Reestenose coronariana, Trombo

Resumo

A angioplastia carotídea baseia-se na inserção de um fio-guia no interior do vaso, um stent de metal autoexpansível, que é introduzido pelo fio, sendo posicionado e implantado na área estenosada, sendo via preferencial a artéria femoral, por não apresentar tantas estruturas neurovasculares adjacentes passíveis de lesão no ato cirúrgico. A endarterectomia trata-se de uma incisão no vaso ocluído e retirado o trombo juntamente com o endotélio vascular. Em seguida, a artéria é suturada e o fluxo é liberado, possuindo eventuais sangramentos controlados. Os hábitos do paciente, possíveis efeitos colaterais e complicações são fatores determinantes para a escolha da atuação médica. Os objetivos da pesquisa são comparar os dois métodos cirúrgicos, tendo em vista as indicações, riscos referentes aos procedimentos, pós-operatórios e localidade da obstrução, a fim de definir qual a melhor abordagem. Foi realizada uma revisão sistêmica da literatura, em periódicos e livros, elencando os pontos positivos e negativos de cada procedimento. A angioplastia e endarterectomia são dois procedimentos que consistem na desobstrução do vaso sanguíneo pela placa de aterosclerose, com a finalidade de restabelecer o fluxo sanguíneo. Porém, é esta última o método terapêutico de primeira escolha da atualidade, pois a angioplastia de carótida leva a uma maior taxa de acidente vascular cerebral e óbito, tanto em curto quanto em longo prazo, embora também esteja associada à menor taxa de infarto do miocárdio e lesão de nervo craniano. Foi possível observar que tanto a angioplastia quanto a endarterectomia são procedimentos que visam restaurar o fluxo sanguíneo através da retirada de placas que estão ocluindo a passagem regular do sangue, permitindo ao paciente uma melhora de seu quadro clínico, sendo a endarterectomia o primeiro método de escolha.

Publicado
2014-06-15
Como Citar
Henrique, M., Melo Machado Leça, A., Dantas Coelho, H., Lemos, J., Freire de Santana, M., & Sampaio, T. (2014). ANGIOPLASTIA E ENDARTERECTOMIA CAROTÍDEA: RISCOS E BENEFÍCIOS DURANTE O PROCEDIMENTO E PÓS-OPERATÓRIO. Revista De Ciências Da Saúde Nova Esperança, 12(1), 106 - 111. https://doi.org/10.17695/revnevol12n1p106 - 111
Seção
Ciências da Saúde/Artigo Original

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##